O grande amor?

O grande amor?

O grande amor? 944 640 Ana Monção

Os pacientes numa sessão de psicoterapia falam frequentemente do amor e da morte.

Na verdade talvez só falem disso, sob roupagens diferentes.

Enfim, falam da vida.

Se falam de uma separação, falam da morte.

Se falam de traição, falam de amor.

Se falam de alguém que ajudaram, falam de amor e assim por diante.

X pergunta-se: “Como posso ter a certeza de que estou perante o amor da minha vida?”.

Penso (mas não digo): ” Não pode, não há certezas. Pensa-se que há, mas não há. Quer até acreditar-se que existem”. E resmungo (em pensamento): “Deviam entregar-nos um livro a dizer isto mesmo quando somos pequeninos”.

E acrescento, positivamente (em pensamento):

“”Il ne faut pas avoir peur du bonheur. C’est seulement un bon moment à passer.” (Romain Gary, na foto acima)

(” Não devemos ter medo da felicidade,  é apenas um bom momento a viver/a passar”) (Romain Gary)

%d bloggers like this: