A importância do Tocar (TOUCH)

A importância do Tocar (TOUCH)

A importância do Tocar (TOUCH) 1920 1080 Ana Monção


A importância do Tocar (TOUCH)

no desenvolvimento psicológico da criança e do adulto

O psiquiatra René Spitz comparou a evolução de recém nascidos educados por uma mãe dentro de uma prisão em que se encontrava encarcerada,  com a de bebés separados da sua mãe mas colocados num berçário onde recebiam os melhores cuidados médicos, dietéticos e higiénicos, providenciados por um pessoal sobrecarregado de trabalho.

Contrariamente ao que se esperava os bebés que cresciam no berçário desenvolvera-se menos do que os da prisão. O pessoal assistente não tinha tempo de os pegar ao colo e de lhes comunicar afecto.

A falta de estimulação tátil conduz a uma diminuição da hormona do crescimento, a distúrbios do sono e a um stress prejudicial para a imunidade. Bebés sem contato com as mães experimentam mais prisão de ventre, diarreia e infecções respiratórias. Os problemas de eczema e alergias são também mais frequentes em crianças tocadas de forma insuficiente. Redobrar massagens e contactos corporais nas crianças e adultos melhora significativamente estas condições.

Existem factores culturais que influenciam a predisposição para tocar os outros. como demonstrou , por exemplo, a investigação de Tiffany Field,  fundadora em 1992 do Touch Research Institute (consultar aqui: http://pediatrics.med.miami.edu/touch-research/research).

 

Ver ainda:

1 comentário
  • Sim, tocarmo-nos é mesmo essencial.
    Mas não esquecer que o primeiro órgão a ser formado no feto é o ouvido. Por isso, sem nos darmos conta, é aquele que naturalmente está ligado às emoções, através da música, da sensibilidade auditiva em geral.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: